Visitação vs Habitação

Mais do que nos visitar, Deus anela habitar em nós! Visitar alguém é quando se vai a um lugar de vez em quando. A visita é agradável, faz o que tem a fazer, mas de seguida vai embora! Mas ao lermos a Bíblia com atenção, vemos promessas da habitação de Deus.

A criação do Éden destinava-se a ser o lugar onde Deus pudesse caminhar para estar conectado com o homem. Por isso, quando apareceu o pecado, Deus teve de colocar um querubim com espada de fogo para proteger o acesso ao lugar onde o celestial estava disponível ao ser humano.

Éden significa “lugar de delícias”, e era justamente isso que Davi, milhares de anos depois, pedia a Deus em revelação: “Tu me farás conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença, eterno prazer à tua direita” (Salmos 16:11).

Como voltar a esse tempo de habitação? Tornando-nos irresistíveis para Deus.

Davi conseguiu cativar a atenção de Deus quando desejou que Ele viesse habitar no seu meio e reinasse sobre todos e tudo.

Pelo nível das coisas profundas que escrevia e fazia, é muito provável que Davi tenha tido experiências celestiais. Muito provavelmente, em algum momento, ele teve um dia uma experiência de ver o trono como João viu em Apocalipse 4: um trono estabelecido e quatro seres viventes ao redor a dirigir a adoração, 24 anciãos sentados em 24 tronos, miríades de anjos a cantar dia e noite, criando, assim, o ambiente correto para que Deus reinasse.

Dessa forma, Davi apresenta na terra o mesmo modelo feito no céu; se no céu Deus habita e reina, também poderia habitar e reinar na terra. Mil anos antes de Jesus, Davi entendeu o Pai nosso: “Venha o Teu reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”.

Davi colocou a arca da aliança no meio, representando a presença manifesta do Rei dos reis. Ordenou a Asafe, Hemã e Jedutum (1 Crónicas 25:1) que, junto com as suas famílias, dirigissem a adoração que desse prazer a Deus. Todas as tribos estavam divididas em turnos para “manter” a presença de Deus na terra. Dia e noite, 24 horas, sete dias por semana, adorando sem parar, fazendo assim na terra como no céu. E o resultado foi o Reino de Deus na terra. Durante o reinado de Davi, ninguém pôde derrotar Israel, não havia enfermidades entre o povo (a não ser por pecados individuais), e eles foram bem-sucedidos em tudo o que fizeram. Por isso, Davi escreveu: “Tu és santo. Tu que habitas entre os louvores de Israel”. E realmente Davi conseguiu que Deus fosse viver com eles numa terra cheia de limitações e imperfeições! O que acontece é que a adoração e o estilo de vida de Israel tornaram-se irresistíveis ao Criador do Universo. Davi conseguiu atrair a presença de Deus. Como consequência por obedecer aos Seus mandamentos, Deus disse:

Estabelecerei a minha habitação entre vocês e não os rejeitarei. Andarei entre vocês e serei o seu Deus, e vocês serão o meu povo.” (Levítico 26:11-12).

Esse mesmo texto é citado em 2 Coríntios 6:16, que diz que hoje nós somos o templo vivo de Deus. 2 Coríntios 7:1, dá-nos a chave para essa habitação permanente: “Tendo, portanto, essas promessas, amados, purifiquemo-nos a nós mesmos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus“.

O tema “habitação” trata de mentalidade. Visitas tratam-se de avivamentos passageiros, grandes sinais e prodígios, de curta duração. Parece que a ideia de nos encontrarmos com Deus “eventualmente” fica arraigada em nós, e focamo-nos em que vamos encontrá-Lo só aos domingos, ou de evento em evento. Custa-nos ter em mente o conceito da habitação vinte e quatro horas por dia, todos os dias da semana.

Às vezes, parece que temos a ligação com Deus como antigamente eram as comunicações por telefone, com cortes, e a ouvir-se mal. Muitas pessoas precisam de eventos, convites especiais, de alguém que venha de longe, traga boas músicas, muito fogo, e depois finalmente há um pouco de conexão. Aí sentem-se no céu, muito espirituais. Mas depois do evento, quando aparece uma dificuldade, uma tempestade, lá se vai a conexão e voltam a ser os mesmos.

Deus, porém, está a despertar os que têm a fibra com o céu, os que estarão todo o tempo online com Deus, num lugar onde nunca se perde a conexão. Essa é a mentalidade de habitação. Quando entendemos que somos habitação de Deus e que basta crer Nele, então entenderemos o versículo “e estes sinais seguirão os que crerem”. Nas ruas, em casa, na escola, no trabalho, vais ver o que significa ter a glória de Deus a habitar dentro de ti. E todos os que estiverem próximos dar-se-ão conta de que não importa a circunstância, o teu Deus é real e presente.

Se prepararmos um lugar, Ele ficará.